Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kate Sotero

10
Mai17

Osteopatia Pediátrica

Kate

 A Osteopatia Pediátrica ajuda a corrigir as alterações músculo-esqueléticas no recém-nascido, após o parto e durante o crescimento do bebé. Quando o parto é mais difícil, em casos de cesariana, recurso a forceps, ventosas, gravidez de gémeos, quando é muito longo ou a criança não se encontra na posição ideal para o nascimento, por vezes ocorrem alterações no sistema músculo-esquelético do bebé.

 

  A Osteopata Vanessa Faria Lopes, especializada em osteopatia pediátrica, explica como: «Um dos ossos sujeito a grandes forças de compressão pelas contracções, bem como pela passagem pelo canal vaginal, é o occipital (osso do crânio), que se encontra situado acima da primeira vértebra cervical (pescoço). Entre o occipital e o pescoço encontra-se um pequeno espaço designado por foramen jugular. Daqui saem quatro nervos cranianos, os quais são responsáveis pela enervação do palato, da faringe, cordas vocais, base da língua, função respiratória, ritmo cardíaco e grande parte do aparelho digestivo. Se as forças do parto comprimirem o occipital, isso implicará uma compressão sobre estes quatro nervos. Isto pode originar cólicas, refluxo gástrico, bolçar excessivo, dificuldade na sucção e alteração do ritmo respiratório e cardíaco».

 

 

Osteopediátrica.jpeg

 

 

Na primeira consulta, o Osteopata vai fazer primeiro uma anamnese sobre a gravidez, o parto e os hábitos do bebé. Depois o bebé é colocado numa marquesa onde vai ser observado, palpado e serão feitos alguns reajustes.

 

Quando recorrer a uma consulta de Osteopatia Pediátrica:

 

. Como check-up pós-parto;

. Torcicolos congénitos e posturais;

. Dificuldade em dormir;

. Cólicas;

. Bolçar excessivo;

. Obstipação;

. Otite;

. Alterações da forma do crânio;

. Alterações do plexo branquial;

. Alteração de alinhamento dos membros inferiores;

. Hiperatividade;

. Dificuldades na sucção;

. Rinite;

. Sinusite;

. Diminuição da coordenação motora.

 

Com Amor,

Kate

 

 

 

26
Mar17

Excertos do Livro "A Mãe não vai fazer quimio"

Kate

Nos últimos meses tenho lido alguns livros relacionados com a epidemia do cancro, decidi partilhar convosco nesta tag #saúde, alguns excertos desses livros.

 

  Excertos do livro " A mãe não vai fazer quimio" da autora Lura Bond.

 

"Porque é que Temos Cancro

Pensamento Antigo vs Pensamento Novo

 

Pensamento antigo: fraqueza genética Pensamento novo: alterações epigenéticas

Pensamento antigo: Torrar ao sol Pensamento novo: Vitamina D insuficiente

Pensamento antigo: dieta rica em gorduras Pensamento novo: comida altamente processada

Pensamento antigo: o stress não é um factor considerável Pensamento novo: o stress está na raiz da causa

Pensamento antigo: a cura são os medicamentos Pensamento novo: a cura é o sistema imunitário"

 

" Um estudo da Faculdade de Medicina da Universidade de Stanford revela que 95% de todas as doenças estão relacionadas com o stresse. E no entanto, no que se refere ao cancro, não conseguimos abalar a crença de que o stresse é irrelevante e que fumar, ter maus genes ou azar é que são os melhores preditores da doença. Nada poderia estar mais longe da verdade: "os genes não tomam a decisão", afirma o Dr.Bernie Siegel, cirurgião e autor de sucesso. 'Eles são estimulados pela quimica interna, que se chama epigenética'.

O epigenoma está situado no topo do genoma (daí o prefixo "epi", que significa em cima). Sabemos agora que os fatores ambientais, como a dieta e o stresse, podem ligar e desligar os genes. 'Não podemos mudar os genes, mas podemos mudar a sua função e expressão (...) A experiência colectiva das nossas vidas - o nosso ambiente intrauterino, dieta, toxinas, micróbios, alergénios, tensões, ligações sociais, pensamentos e crenças - determina os genes que se ligam e desligam (...) A genética pode determinar a nossa predisposição para estas doenças, mas esses genes têm de ser ativados (ou silênciados) por 'gatilhos' ambientais, tais como a dieta ou o stress, para originiar a doença'. "

 

358c866ae023664a17a2a33f7f9454e4.jpeg

 

 

Vitamina D

 

"Ficar protegido do sol diminui os nossos níveis de vitamina D, e os baixos níveis estão relacionados com tudo, desde a esclerose múltipla e diabetes à obesidade e cancro. Existem agora mais de 800 estudos completamentes referenciados que demonstram a eficácia da vitamina D na prevenção de cancro, e está provado que níveis adequados reduzem as metástases, aumentam a apoptose (morte celular programada) e duplicam as taxas de sobrevivência dos pacientes de cancro colorretal.

 O hospital de São Jorge, em Londres, conclui dos seus estudos, que nas mulheres com baixos níveis de vitamina D no tecido da mama o risco de cancro da mama é 354% maior. Outros estudos demonstram que os niveis ótimos de vitamina D podem prevenir dezasseis tipos diferentes de cancro, incluindo os cancros do pâncreas, dos pulmões, dos ovários, da próstata e da pele. 'É como se a vitamina D desligasse as células cancerosas', explcia o Dr.Lodi, 'É por isso que vemos uma prevalência do cancro tão baixa nas populações que vivem na linha do equador ou próximo dela, e um aumento gradual dessa prevalência à medida que se vai mais para norte ou sul.'

Talvez julgue que trabalhar ao ar livre o torna mais vulnerável ao cancro da pele, mas a investigação sugere que, na verdade, são os trabalhadores dos escritórios que se têm de preocupar: 'Quando olhamos para estudos cientificos, descobrimos que o cancro da pele ocorre sobretudo em pessoas que nunca estão expostas ao sol', diz Andreas Moritz, autor de 'Cancer is not a Disease - It's a Survival Mechanism', são muitas vezes as pessas que se levantam às 7 da manhã para ir para o escritório, que trabalham dentro de portas debaixo de luz artificial e que vão para casa ás 7 da noite: nunca veem o sol"

 

Com Amor,

Kate

 

 

 

11
Mar17

A importância de restabelecer o nosso campo energético

Kate

   Nos dias de hoje a nossa rotina deixa-nos exaustos, a maioria de nós acorda a correr, trabalha a correr, come alguma coisa nos curtos intervalos, sai do trabalho, chega ao carro, pára para por gasóleo ou para comprar algo que falta em casa, chega a casa faz o jantar, dá banho aos miúdos, prepara as coisas para o dia de amanhã e cai na cama.

  Todo este stress dia após dia, ano após ano, destabiliza o normal funcionamento do nosso sistema imunitário, da nossa flora intestinal, e desregula o nosso sistema endócrino, responsável pela secreção de hormonas, muito importantes para o nosso bem-estar geral, como a serotonina, a dopamina, a melatonina, a oxitocina e a endorfina.


O nosso campo energético é o nosso templo sagrado, é a casa dentro de nós que temos de cuidar, limpar, suster e manter em equilíbrio.

 

Sem nome11.png

 

 

  Todos nós já sentimos muitas vezes o que é a "boa" e "má energia". Muitas vezes ouvimos expressões como "aquela pessoa suga-me",ou "este local faz-me sentir bem", ou "ir à praia renova-me as energias". Quando vamos a um centro comercial cheio de pessoas, quando estamos parados no trânsito horas a fio, quando estamos no trabalho e vemos colegas a discutirem, quando estamos o dia todo ao computador numa gabinete, ou quando passamos horas na clínica a tratar de pacientes, a nossa energia fica mais fraca. O nosso campo energético desce por várias razões, entre elas o facto de estarmos num local onde não há fluxo energético, ou porque estarmos a lidar com outras pessoas com um campo energético diferente do nosso, ou simplesmente porque o nosso espírito se está a reajustar a uma realidade diferente daquela onde pertence. Mas quando bebemos um chá na esplanada a olhar para a natureza, quando caminhamos descalços na areia da praia ou mesmo quando nos sentamos no banco do jardim a ouvir música relaxante, o nosso corpo relaxa, e o nosso campo energético começa a restabelecer-se a nutrir-se de bons pensamentos e de energia vital.

 

 

Sem nome33.png

 

 A importância de restabelecermos o nosso campo energético no nosso dia-a-dia é fundamental, tirarmos tempo para nós, nem que seja 15 a 30minutos por dia.

   Tempo para estar connosco a fazer o que realmente nos nutre a alma, seja pintar, nadar, caminhar ou simplesmente deitarmo-nos na varanda a olhar para a Lua. Hoje em dia é urgente tomar-mos conta de nós, a sociedade vive com o tempo contado, neste momento está a surgir uma epidemia de cancros nunca antes vista, mais importante que a Alimentação, mais importante que o AR que respiramos é a importância de como o fazemos todos os dias, o amor e a consciência que depositamos em cada um dos nossos actos, a maneira como escutamos o nosso corpo e nos amamos e respeitamos é vital para o nosso bem-estar. Relembrar-nos todos os dias que o mais importante não é aquele carro de luxo, aquele vestido lindo que me vai ficar deslumbrante nas primeiras duas vezes que usar ou aquele telefone de última geração que vai tirar a melhor fotografia para o instagram...A forma como falamos com quem está à nossa volta, a forma como falamos e nos dirigimos a nós mesmos, temos que nos relembrar de quem somos, do que sentimos, do que nos faz sorrir, e sentir vivos, daquela brisa do mar a arrepiar a pele, daquele sol lá fora que nos deixa rosados, da terra nas mãos que nos deixa reconectados à mãe natureza... esses pequenos detalhes...detalhes que nos enchem a alma, que nos nutrem por dentro, que nos fazem amar, este bem, tão preciso, que é a vida na terra.

 

Com muito amor,

Kate

 

16
Fev17

Sushi Vegetariano

Kate

Esta receita surgiu nas férias de Verão de 2016, com uns amigos muitos especiais, a Bárbara e o Afonso.

     A Bárbara é aquela amiga que todas as pessoas gostavam de ter, alegre, uma boa ouvinte, confidente, bem disposta e sempre com muito para ensinar, contar e debater. Para mim é a amiga perfeita, porque para além das suas inúmeras qualidades, tem uma que me deixa com imensa vontade de ir com ela de férias: a sede de exprimentar receitas novas, saúdaveis e sem glúten.

 Dentro das várias receitas que criámos este Verão, entre a praia, o surf e as idas ao maravilhoso restaurante Trigo Vermelho, houve uma que repetimos já algumas vezes em ocasiões especiais... o sushi vegetarino.

Aqui fica a receita:

 

*

This recipe came in the summer holidays of 2016, with a few special friends, Bárbara and Afonso.

 

     Bárbara is the friend that all people like to have, cheerful, a good listener, confidant, with good humor and always with much to teach, to tell and to debate. For me she is the perfect friend, because in addition to her many qualities, there is one that makes me want to go with her on vacation: the desire for new healthy and gluten-free recipes.

 

 Among the various recipes we created this summer, between the beach, the surf and the trips to the wonderful Trigo Vermelho restaurant, there was one that we have repeated several times on special occasions... the vegetarian sushi.

 

Here's the recipe:

 

sushi.png

                                                                     Foto Original, Carrapateira, Julho 2016 

Ingredientes:

200g de arroz de sushi

3dl de água e sal

2 c.sopa de vinagre de arroz

1 cenoura

1 beterraba (ou couve roxa)

tofu q.b

1 abacate (pequeno)

4 folhas de alga nori

óleo de coco ou manteiga de coco (usei da vitaquell)

Molho de soja ( opcional )

Manjericão q.b

Wasabi

 

Preparação:

1. Lave o arroz e coza-o na água já morna com sal. Quando o arroz estiver pronto incorpore o vinagre de arroz e misture. Deixe o arroz arrefecer.

2. Corte em tiras longitudinais a cenoura, a beterraba, o tofu e o abacate.

 

3. Disponha as folhas de alga nori numa esteira de bambu. Espalhe o arroz por cima e depois o óleo de coco ou a manteiga de coco (para o rolo colar, quando fechar o sushi). Coloque em seguida os legumes e o abacate à sua disposição (ex: uma tira de cenoura, uma de beterraba e uma de tofu) e enrole pressionando um pouco para apertar o rolo. Corte com uma faca de sushi em movimentos seguros o rolo às rodelas, na diagonal, e sirva com molho de soja, wasabi e folhas de manjericão.

 

rolling-sushi-step-by-step-800x534.jpeg                                                                                  Foto do blog LazyCatKitchen

 

Sem nome.png

                                                                            Foto do blog LazyCatKitchen

 

 

*

Ingredients:

200g sushi rice

3dl water and salt

2 tspoon. rice vinegar

1 carrot

1 beetroot (our red kale)

tofu q.b

1 avocato (small)

4 nori sheets

Coconut oil or coconut butter

Soy sauce( opcional )

Basilic q.b
Pickled ginger

Preparation:

 1. Wash the rice and bake it in the already warm water with salt. When the rice is ready, incorporate the rice vinegar and mix. Let the rice cool down. 

 

2. Cut into longitudinal strips the carrot, beetroot, tofu and the avocato.

 

3. Arrange the nori sheets on a bamboo mat. Spread the rice over and then the coconut oil or the coconut butter (for the roll, when closing the sushi). Then put the vegetables and avocado (eg, a strip of carrot, a strip of beetroot and a strip of tofu) and wind up by pressing a little to tighten the roll. Cut with a sushi knife the roll and serve with soy sauce, pickled ginger and basil leaves.

 

Com Amor,

Kate

 

*

With Love,

Kate

 

 

11
Jan17

Fadiga supra-renal

Kate

 

   As glândulas supra-renais são glândulas endócrinas, segregam hormonas que são enviadas para a corrente sanguínea e situam-se por cima dos rins. Produzem algumas hormonas como o cortisol e a adrenalina, e têm um papel muito importante na conversão de proteínas e gorduras em glicose, para além de que, são também elas que regulam a produção de hormonas como o estrogénio e a testosterona.

Estas pequenas glândulas são um ponto-chave para o equilíbrio do nosso organismo, pois como são elas as responsáveis pela regulação da libertação do cortisol e da adrenalina, quando sofrem uma hiperactividade (devido ao stress por exemplo) por um longo período de tempo, começam a ficar cansadas, deixando de libertar estas hormonas na quantidade suficiente.

 

 *

 

The adrenal glands are endocrine glands located above the kidneys, which segregate hormones to the blood veins such as cortisol and adrenaline. The adrenal glands have a very important role in the conversion of proteins and fats into glycoses and they also regulate the production of other hormones such as estrogen and testosterone. 

 

Small in size these glands are a key-point to the balance of our whole body. They are the responsible for the release of cortisol and adrenaline into our bodies and when suffering of prolonged hyperactivity (for example as a result of stress) they become exhausted, later not being able to release enough hormones.

 

12193350_1636624233259852_5748675964938789155_n.jp

   

 O cortisol é uma hormona muito importante para a nossa saúde geral, porque ajuda a reduzir as inflamações, ajuda a manter os níveis de açúcar no sangue, equilibra o nosso sistema imunitário assim como ajuda a regular a pressão arterial. No entanto o cortisol é também chamado como "a hormona do stress", isto porque o stress aumenta a produção de cortisol.

Durante o dia os níveis de cortisol variam consoante as nossas actividades diárias e os nossos níveis de serotonina, de manhã por exemplo os níveis são mais elevados e ao longo do dia vão diminuindo (a não ser que trabalhe à noite e neste caso os níveis tendem a ser diferentes).

 

   Quando os nossos níveis de cortisol estão abaixo do normal podem surgir alguns sintomas como:

- Cansaço

- Desejo por doces

- Pensamentos depressivos

- Dermatite atópica



Quando estes estão acima do normal podem surgir alguns sintomas como:

- Lapsos de memória

- Menos disposição para ter relações sexuais

- Dificuldade em ganhar massa muscular

- Menstruação irregular

- Tendência para ganhar peso.


*

Cortisol is a very important hormone for our overall health, having a key part in reducing inflammations, maintaining blood sugar levels, balancing our immunitary system and helping with the regulation of the blood pressure.

 

 Throughout the day the levels of cortisol in our blood vary, once they are directly correlated with our activities and levels of serotonin. They tend to be higher in the morning and decrease throughout the day, but for people working night shifts the pattern is likely to be different.



When our cortisol levels are below normal we might feel:

- Tiredness

- Craving sweets

- Depressive thoughts

- Atopic Dermatitis



When our cortisol levels are above normal we might feel:

- Memory lapses

- Less disposition for sexual relations

- Difficulty in increasing muscular mass

- Irregular periods

- Tendency to gain weight



No parto muitas vezes as supra-renais ficam exaustas, levando a um descontrolo hormonal que depois se reflecte na perda de cabelo, unhas quebradiças, aumento de peso, frio, níveis instáveis de açúcar no sangue entre outros sintomas que são efeitos colaterais de um impacto notório da fadiga supra-renal.

 

Sintomas de fadiga supra-renal:

- Sente que tem excesso de suor.

- Sente-se cansado mesmo após ter dormido as horas normais.

- Dificuldade em adormecer apesar do cansaço.

- Sente-se cansado ao logo do dia mas quando chega a casa tem um pico de energia (isto acontece porque as glândulas supra-renais guardam as suas reservas durante o dia caso surja alguma emergência, quando chega a casa elas sentem que estão em um ambiente seguro, libertando essas reservas que lhe vão dar um pico de energia extra)

- Sede fora do comum (se bebe muita água e mesmo assim continua com esta sensação de sede, pode ser por ter os níveis de sódio, potássio e glucose desregulados, algumas bebidas como a água de coco, sumo de aipo e maçã vão ajudar).

- Pressão arterial baixa

 

ee6abf4bc218b06999b7300f89125c2f.jpeg

 

 

Alimentos a evitar:

- Alimentos que contenham glúten

- Açúcares (tirando os naturalmente presentes na fruta)

- Lacticínios

- Refrigerantes e alimentos processados

 

Alguns alimentos específicos como a maçã, o aipo, tâmaras, alperces, abacate, batata doce, beterraba, damasco, banana ou a beterraba, são também importantes para equilibrar os níveis de sódio e potássio no nosso organismo, que muitas vezes sofrem um desequilíbrio quando existe fadiga supra-renal.

 

Blogs que recomendo sobre este tema:

https://adrenalfatiguesolution.com/blog/

https://wellnessmama.com/55210/adrenal-fatigue-remedies/

 

 

*

 After giving birth the adrenal glands become often exhausted, leading to hormonal misbalances provoking hair loss, fragile nails, weight gain, cold, unstable sugar levels in the blood, within others. These are all collateral effects from adrenal fatigue.

 

Symptons from adrenal fatigue:

- Excess of sweat

- Tiredness even after a normal amount of sleep

- Difficulty in falling asleep, even when feeling tired

- You feel tired throughout the day but feel an energy-kick when arriving home in the evening (This happens because the adrenal glands store their energy during the day in case of emergency. When you arrive home and feel in a ‘safe environment’, they release the stored energy causing you to feel an energy-kick)

- Exceeding thirst (If you already drink a lot of water and you still feel often thirsty, that might mean your levels of sodium, potassium and glucose are unbalanced; drinks such as coconut water, celery and apple juices will help you)

- Low blood pressure

 

Foods to avoid:

- Foods containing gluten

- Sugars (except the ones naturally present in fruits)

- Milk products

- Carbonated drinks and processed foods

 

The ingestion of foods such as apples, celery, dates, apricots, avocados, sweet potatoes, beetroot, damascus and bananas are also important to balance the levels of sodium and potassium in our bodies, often missing when you suffer from adrenal fatigue.

 

Blogues I recommend on this theme:

https://adrenalfatiguesolution.com/blog/

https://wellnessmama.com/55210/adrenal-fatigue-remedies/

 

With Love,

Kate

 

Com Amor,

Kate

 

 

22
Out16

Dor Cervical

Kate

As dores no pescoço, também chamadas de cervicalgia ou torcicolo, estão muitas vezes associadas a movimentos repetitivos, má postura, hérnias,  disfunções da articulação temporo-mandibular (ATM), traumas (movimentos bruscos, associados a desportos radicais, acidentes de carro, entre outros) e inflamação das articulações (osteoartrite, que geralmente ocorre em pessoas mais idosas).

 

Os principais sintomas são:

- Dor aguda;

- Dores de cabeça;

- Falta de flexibilidade na zona cervical;

- Tonturas;

- Formigueiro nas mãos;

- Diminuição da amplitude dos movimentos do pescoço.

 

neck-pain.jpg

 

 

Como Prevenir:

- Manter uma boa postura: No trabalho, em casa, ao fazer exercício e ao dormir ajuste a sua posição. Por vezes os hábitos posturais que levamos, deixam-nos sem saber qual é verdadeiramente a postura correta para a nossa coluna, para isso, recomendo algumas aulas de yoga, pilates ou reeducação postural.

 

- Alongamentos de uma em uma hora: Principalmente para quem passa o dia no escritório, ou a fazer movimentos repetitivos. Aqui seguem alguns exemplos de alongamentos para a zona cervical*:

alongamento-cervical.png

 

4. muscle stretch_1.jpg

1457902647624.jpg

 

 

- Massagem: Realizar massagens pelo menos duas vezes por mês ajuda a prevenir e a melhorar as disfunções cervicais, assim como, a aliviar toda a tensão da musculatura e o stress, muitas vezes associado à rigidez muscular.

 

- Considerar recorrer à Fisioterapia, Hidroterapia, Acupuntura ou Osteopatia: No caso da dor se prolongar ao longo de vários dias (pelo menos dois ou três dias seguidos), procure ajuda de um médico ou especialista. No caso da Hidroterapia, Acupuntura e Osteopatia que são terapias em que o processo de regulamentação ainda está a decorrer, procure terapeutas com formação na área e se possível, peça a opinião sobre o terapeuta com colegas ou amigos que já tenham realizado os tratamentos e visto resultados.

 

 *Nota: Os exercícios de alongamentos devem ser realizados o mais devagar possível e com toda a atenção para esse movimento. Por vezes ocorrem lesões ao relizar alongamentos de forma brusca ou quando não respeitamos a flexibilidade do nosso corpo.

 

Com Amor,

Kate

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

18
Set16

Chocolate e São Tomé e Príncipe...

Kate

O chocolate é a minha sobremesa preferida... mas não é um chocolate qualquer, é o chocolate de São Tomé e Príncipe.

  A Ilha do Príncipe pertence à Reserva Mundial da Biosfera declarada pela Unesco. É uma ilha linda com cerca de 6700 habitantes, com uma fauna intocável e de uma beleza única.

 

bombom-principe-island-luxury-resort-general.jpg

 

     O cacau de São Tomé e Príncipe é considerado um dos melhores chocolates do mundo. O processamento do cacau é diferente, as sementes são separadas à mão e desidratadas de forma natural em tabuleiros abertos sobre grandes fornos de lenha.

      Hoje em dia o cacau representa cerca de 90% da exportação do país, e na ilha o maior produtor de chocolate chama-se Claudio Corallo.

cacao-3.jpg

 

09.jpg

 

12928355_1686977054891236_3870596792196128993_n.jp

 

Claudio Corallo é um italiano que conhece São Tomé como a palma da sua mão. Apaixonou-se pela ilha e, em meados de 1998, decidiu cultivar cacau e produzir chocolate. Hoje dá emprego a mais de 400 pessoas, na fábrica de São Tomé e na plantação no Príncipe. Todo o processo é realizado pelos seus trabalhadores, o cultivo, a apanha, a separação, a desidratação e a fabricação dos chocolates.

 

12932577_1686970194891922_1207701739611076986_n.jp

 

  O Chocolate vendido quando não é biológico tem em média 30 pesticidas e é processado por máquinas e misturado com outros ingredientes, perdendo a qualidade e os benefícios da fava do cacau. No caso da marca do Claudio Corallo, as plantas do cacau ainda são as antigas plantas que haviam na ilha. A maioria dos chocolates de hoje comercializados provêm de plantas que foram geneticamente modificadas, deixando para trás a essência do verdadeiro cacau.

  As favas de cacau são ricas em epicatequinas, antioxidantes também presentes no chá verde que previnem o desenvolvimento de células cancerígenas. Quando as plantas são modificadas a estrutura da planta em si é interrompida, deixando para trás muitas das suas propriedades terapêuticas.

2013-01-01 00.00.00-369.jpg

 

Em Lisboa a loja Corallo fica no Príncipe Real, um espaço por si só apetecível, o cheiro no ar a chocolate quente e as montras de variados tipos de chocolate são por si só irresístiveis.

 

Com Amor,
Kate

 

 

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

19
Ago16

O perigo das Estatinas

Kate

Este é um assunto que quero abordar no blog à já algum tempo, o perigo do consumo de estatinas.

 As estatinas são medicamentos usados para o colesterol alto e na prevenção de doenças cardiovasculares associadas à aterosclerose. Neste momento são os medicamentos mais vendidos em todo o mundo, inclusive em Portugal.

 

  No último ano no nosso país ocorreram cerca de 23.000 mortes por doenças cardiovasculares, fazendo destas respónsáveis pela morte de quase um terço da população portuguesa. Não admira assim, que cada vez mais pessoas recorram ao uso de estatinas.

21f4b5f4468c287e5eef5ba4aac70b91.jpg

 

Como o próprio nome indica as estatinas pertencem à classe dos esteróides e enibem a enzima responsável pela formação do colestrol pelo fígado (HMG-CoA redutase).  Um artigo publicado no American Journal of Cardiovascular Drugs cita cerca de 900 estudos sobre os efeitos colaterais das estatinas.

Entre eles estão:

 

1. Aumento da resistência à insulina

O uso de estatinas influência o normal funcionamento no metabolismo dos hidratos de carbono no organismo, aumentado o risco de diabetes.

 

2. Enfraquecimento do Sistema imunitário

As estatinas diminuiem cerca de 40% a produção de Coezima Q10, que é responsável pela produção de energia nas células. Quando as células ficam com menos energia não conseguem funcionar normalmente, acabando grande parte por morrer. A redução de Coezima Q10 no nosso organismo está associada ao envelhecimento precoce, falta de força muscular e fadiga.

 

3. Perda de memória

O nosso cérebro é constituido por cerca de 60% de gordura, entre elas os ómega-3. O uso de estatinas diminui a produção de ómega-3, estando assim associadas à perda de memória e doenças neurodegenerativas.

 (Para mais informações sobre a relação entre o cérebro, a alimentação e as doenças neurodegenerativas recomendo o livro: Cérebro de Farinha - Dr.David Perlmutter.)

 

Deixo aqui também alguns dos estudos realizados sobre os malefícios das estatinas:

 

British Medical Journal- http://www.bmj.com/content/326/7391/689

 

BMC Cancer- Exposure to statins and risk of common cancers: a series of nested case-control studies

 

Organização Mundial de Saúde- http://search.who.int/search?q=statin&ie=utf8&site=who&client=_en_r&proxystylesheet=_en_r&output=xml_no_dtd&oe=utf8&getfields=doctype

 

 Am J Cardiovasc Drugs- http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2849981/

 

University of California, Sand Diego- http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19591530

 

Com Amor,

Kate

 

 

 

 

 

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

Guardar

18
Ago16

Salada de Figo

Kate

Os dias de Verão são para mim, os melhores do ano. O mar, a areia, os mergulhos, o sol, o pôr do sol, os jantares longos com amigos à luz das estrelas e claro os frutos de verão, como os pêssegos, as meloas, os mirtilos, as amoras e os figos.

 

IMG_9658.JPG

 

 

Os figos que me fazem lembrar a minha mãe, os figos que apanhei em outros Verões com a minha avó, da mesma árvore que hoje apanhei para fazer esta Salada de Verão, fresca leve e revigorante.

IMG_9654.JPG

 

 

Ingredientes:

 

4 Figos

1 mão de pinhões ( ou amêndoa laminada )

10 flores de chagas

2 mãos de espinafres bio

Sumo de meio limão

1 c.chá de mel de laranjeira

Molho vinagrete (opcional)

 

 

Preparação:

1. Mistura-se os espinafres, os pinhões e as chagas.

2. Junta-se os figos cortados aos pedaços e rega-se com o sumo de limão, o mel e o molho vinagrete.

 

Com Amor,

Kate

 

 

 

Guardar

13
Ago16

Bolo Protéico de Banana e Amêndoa

Kate

#glutenfree #sem açúcar #sem lactose

 

Os amigos são um dos pilares da nossa vida, e nós temos muita sorte, porque temos amigos que valem ouro.

A receita de hoje foi feita a pensar nos amigos, nos que estão longe e nos que estão perto, naqueles que levamos no coração todos os dias. Um Bolo reconfortante, saúdável e nutritivo.

 

 

IMG_9529.JPG

 

Ingredientes:

3 ovos

4 bananas

1 chávena e meia de aveia bio sem glúten

1 chávena com: passas q.b, 2 tâmaras aos bocados, 3 ameixas secas aos bocados, 3 colheres de sopa de amêndoa partida aos quadradinhos (aquela que vem já aos quadradinhos), 5 avelãs partidas em 3

2 colheres sopa linhaça moída

2 colheres de sopa de cacau biológico em pó

1 colher de chá de fermento

 

 

Preparação:

1. Junte os ovos e as bananas até fazer um creme (usei a bimby 20 segundos velocidade 4).

 

2. Adicione ao creme todos os ingredientes (seguidos) e coloque na bimby a velocidade 3 invertida até estar misturado.

 

3. Vai ao forno 180° durante 45minutos, tire e deixe arrefecer até desenformar.

 

Nota: Este bolo é rico em proteína, cálcio, magnésio e vitamina E.

 

Bom apetite!

 

Com Amor,

Kate

 

 

 

 

Guardar

Guardar

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D